Câmara de Diadema economiza R$ 1,065 milhão em 2017

    A busca pelo equilíbrio financeiro e por uma gestão ainda mais responsável fez com que a Mesa da Câmara, formada pelo presidente Marcos Michels (PSB), Revelino Teixeira, o Pretinho do Água Santa (DEM) e Audair Leonel (PPS), primeiro e segundo secretários, respectivamente, apresentasse um déficit nas contas da Casa. Com isso, a Mesa da Câmara vai devolver ao cofres da Prefeitura R$ 1,065 milhão, o que certamente dará um fôlego para a administração pública.

    A economia se deveu em função da reforma administrativa que reduziu em 28% o número de cargos de confiança na Casa. Eram 147e a partir de janeiro serão 105. Com isso, a Câmara vai deixar de gastar R$ 6,1 milhões até 2020 com folha de pagamento, encargos e benefícios.
    Houve redução também na cota de selos e, com o serviço de digitalização e armazenamento próprios de documentos da Casa, já foram economizados cerca de R$ 60 mil.

    O corte alcançou também a cota de combustível e os gastos com a manutenção dos carros oficiais. “Também, no início do ano a Mesa analisou vários contratos, nos quais houve negociação e redução de valores”, disse Marcos Michels.
    Mas, foi a reforma administrativa que gerou a grande parte da economia. “Era algo que precisava ser feito e nós fizemos”, ressaltou. “Agora vamos qualificar ainda mais os serviços na Casa”, completou.

    De acordo com o presidente, a ideia é manter a mesma austeridade econômica e administrativa para 2018. Segundo ele, o próximo passo é fazer uma reforma estrutural na Casa, inclusive na parte elétrica. “Quero investir também em tecnologia para diminuir drasticamente o uso de papel”, disse. “Penso que isso vai dar mais agilidade, transparência, confiabilidade e economia aos trabalhos”, finalizou.

    Projetos – Em 2017, os vereadores discutiram 144 projetos no total, sendo 70 de autoria do Executivo, três deles foram adiados, um retirado e três rejeitados, e 74 dos parlamentares da Casa, com cinco adiados, um retirado e três rejeitados. No total, foram realizadas 45 Sessões Ordinárias e 15 Extraordinárias. É preciso ressaltar que em Diadema, as sessões extraordinárias não são remuneradas. “Foi um ano produtivo, mas espero que 2018 seja ainda mais”, finalizou Marcos Michels.