Índice de homicídio já é maior que em 2016 em Diadema

Número de mortes de janeiro a outubro já é maior que em todo o ano passado, mas apesar disso índices são considerados bons. “Essa variação chama a atenção e precisa ser analisada pelas autoridades, que devem ficar ainda mais alertas”, diz especialista

George Garcia 

Os números oficiais da Secretaria de Segurança Pública mostram que de janeiro a outubro deste ano já foram registrados mais assassinatos na cidade do que em todo o ano passado. Em 2016 foram vítimas de morte violenta 33 pessoas na cidade e só em dez meses deste ano foram assassinadas 34 pessoas, uma alta de 2,65% ainda faltando dois meses de estatística. Seguindo a média mensal, o número de homicídios deve beirar os 40 casos.

Especialista na área, o ex-secretário nacional de segurança pública e coronel da reserva da Polícia Militar, José Vicente da Silva Filho, avalia que a alta de 2,65% em menos de um ano deve ser avaliada, porém, por outro lado, ele acredita que atualmente a
cidade vive uma situação muito boa em termos de segurança, se comparado com o passado recente, os últimos 20 anos. “Essa variação chama a atenção e precisa ser analisada pelas autoridades, que devem ficar ainda mais alertas, mas com uma taxa muito
baixa como esta é difícil fazer um diagnóstico, tem que pegar os inquéritos e analisar. No contexto Brasil, Diadema está muito bem, cidades como Joinville e Florianópolis, que têm praticamente a mesma população, estão com problemas muito mais sérios. Estive em um seminário em New Orleans (EUA) uma linda cidade de 400 mil habitantes, mas onde a taxa de homicídios é 5 vezes a de Diadema. Então não tem outro remédio é se debruçar e analisar caso a caso, que os números voltam ao controle”, resumiu.

Silva Filho participou de um estudo realizado em Diadema no início dos anos 2000, com objetivo de diagnosticar as causas da violência na cidade. O estudo destacou que os crimes, em sua maioria eram praticados por motivos banais ou fúteis e ocorriam dentro, nas imediações de bares, ou um dos envolvidos, vítima ou autor, estavam sob efeito de álcool ou drogas. Esse estudo levou a criação da Lei Seca, que obriga o fechamento de bares entre as 23hs e 6hs.

Polêmica, a legislação que completou em junho 15 anos, conseguiu baixar os índices de criminalidade, sobretudo os homicídios. Segundo os dados oficiais da secretaria estadual, na época da criação da lei o índice de assassinatos para cada grupo de 100 mil pessoas era de 51,13, em 2011 esse número baixou para 9,02, e no ano passado o índice foi o me nor desde 1999, quando a SSP passou a divulgar oficialmente os números, 8,29 mortes para cada grupo de 100 mil pessoas.

QUEDAS

De acordo com o Capitão Ricardo Silva, oficial do 24º Batalhão de Polícia Militar, apenas os índices de homicídio tiveram aumento este ano, os demais se mantiveram estáveis em comparação com o ano passado. “Isso graças as operações que foram realizadas, como a Cavalo de Aço que é realizada uma vez por semana, com muitas apreensões de motos, e a operação Força Total, visando coibir o roubo de carga e de veículos, sendo realizada uma vez por mês. “Roubos e furtos de veículos tivemos redução de 18,65% e o roubo em geral tivemos redução de 15,56%. Roubo a bancos, um crime que tem aumentado em todo país, tivemos apenas um caso em Eldorado”.